Para refletir – Volta meu filho!
6 de novembro de 2015
Qual a importância de estudar Teologia?
8 de janeiro de 2016
Mostrar tudo

Para refletir – CORAGEM DE ADÉLIA

Há uns 50 anos, o Vale do Urso, tinha a fama de um dos mais depravados lugares da América do Norte. Ali reinava a bebida e a imoralidade. Os assassinatos eram freqüentes, e quando a jovem Adélia Fox resolveu ir para lá como missionária, todos ficaram grandemente surpresos. Lá chegando Adélia realizou a primeira reunião no prédio da escola. A sala era pequena mas ficou repleta de homens armados de armas e garrafas. Ameaçaram em altas vozes o missionário, mas ficaram sobremodo surpreendidos quando viram a atraente jovem levantar-se no palco. O silêncio reinou. A reunião não poderia produzir melhores resultados. Gostaram da bela música que ela cantou, das palavras meigas e desembaraçadas que lhes falou.
Depois da reunião diversas famílias a convidaram para hospedar-se em suas casas. Ela aceitou o convite da esposa do fabricante do cachaça, o homem conhecido como o mais perigoso e valente do lugar. O menor dos seus filhos estava doente. A jovem Adélia cuidou da criança, tomando todas as providências necessárias para aliviar as suas dores e combater a doença. De tal modo se dedicou que os pais da criança se tornaram seus amigos fiéis. Fizeram-lhe uma casa onde dava as aulas e, pouco a pouco, ela foi ganhando a amizade e confiança de todos.
Surgiu então um episódio interessante. Houve uma eleição para decidir se naquele estado seria ou não permitida a venda legal de bebidas alcoólicas. Adélia convocou uma reunião urgente; e fortemente apelou aos seus ouvintes para que votassem contra a venda do álcool, mostrando-lhes como o álcool é prejudicial ao indivíduo, à família, etc. O fiel amigo, fabricante de bebidas, estava escutando pensativo. Quando a missionária explicou que muitas crianças morrem em conseqüência deste horrível vício dos pais, este homem levantou-se muito vermelho.
“A senhora quer dizer que estou matando meus filhos, D. Adélia?” perguntou com raiva.
Adélia orou apressadamente ao Senhor, pois o homem estava enfurecido naquele momento.
“Sim senhor”, respondeu calmamente. O homem ficou atordoado, e confuso – e então jogando o chapéu no chão, num gesto de raiva, declarou: “Nunca jamais beberei álcool!
Nem mais o fabricarei e venderei. Que Deus me ajude a agir assim!”

E a votação naquele dia foi na grande maioria contra a venda de álcool.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *